Otimismo e vida longa

otimismo

Para quem leva a vida com mais contentamento, risco de morte cai em 18%; quem é pessimista, no entanto, tem 20% mais risco de morrer precocemente, aponta estudo

O otimismo e a satisfação com a prória existência prolongam a vida. Quem é mais insatisfeito com a vida corre, de fato, mais risco de morrer rápido. É o que diz um estudo da Chapman University of Orange, na Califórnia, Estados Unidos, e publicado no periódico Psychological Science, que mostrou como uma satisfação maior com a própria vida, depois dos 50 anos, seja, de fato, ligada a um menor risco de morte.

Flexibilidade

“A satisfação com a vida pode mudar os efeitos de um eventos como divórcio ou desocupação. Algumas pessoas conseguem se adaptar de maneira mais rápida às novas situações porque parecem ter uma satisfação com a própria vida mais estável, enquanto outros não se adaptam assim rapidamente”, explica Julia Boehm, uma das pesquisadoras.

Se uma pessoa enfrenta repedidamente situações estressantes, que diminuem seu contentamento com a vida, “estas flutuações para baixo parecem ser particularmente danosas para a longevidade”, diz ela.

(Fonte: IG Saúde)

Anúncios